Super Transado
Se acontece, está aqui

Maurício Baia fala sobre o álbum em homenagem a Bob Dylan e saudade de cantar no Brasil

Junho 17, 2019
Autor / Fonte: Super Transado


Maurício Baia fala sobre o álbum em homenagem a Bob Dylan e saudade de cantar no Brasil

Completando 25 anos de carreira, 10 álbuns e um DVD, ao vivo no Circo Voador, o cantor e compositor Maurício Baia apresenta seu novo álbum: 'Baia'Bossa Dylan', lançado no dia 24 de maio. 

Neste novo álbum, oito músicas de Dylan foram gravadas no ambiente da Modern Bossa Nova, produzido e arranjado por Sandro Albert em Nova York.

Ouça AQUI 'Baia'Bossa Dylan'.

Assista AQUI o clipe da musica 'Knocking on heaven´s door'.

 

Confira o bate-papo com o cantor:

 

ST)- Como surgiu a ideia de homenagear o grande Bob Dylan em ‘Baia‘Bossa Dylan’?

Baia: Estava em casa, em um dia de chuva, tocando violão bem lentamente, fazendo uma levada de Samba Canção, quando comecei a cantar uma antiga balada, intitulada “You’re A Big Girl Now”. O encaixe foi perfeito, harmônico, a letra foi ganhando uma docilidade que no folk não tinha e como as estrofes se repetem melodicamente, o clima não terminava, se estendia até o final da canção. Ali, eu vi que seria uma forma nova de reler algumas baladas da sua vasta obra. Conheço bem as releituras que fizeram dele, em todos esses anos, mas nunca tinha ouvido Dylan no universo da Bossa, que no Brasil se chama Nova, mas aqui o estilo do disco é definido como Modern Bossa Jazz. Quando ele recebeu o Prêmio Nobel de Literatura, me senti motivado a fazer, pois era uma confirmação a mais da eternidade de sua obra, que merecia uma releitura brasileira para atingir novos corações e mentes.

 

ST)- Com um repertório extenso de clássicos, como foi escolher 8 faixas para o projeto?

Baia: Foi bem natural. Após o primeiro achado, eu fui para outras duas do mesmo disco, “Blood On The Traks”, de 1975, que está entre meus preferidos. Mas a ponte se fez quando levei o projeto para o produtor Sandro Albert, grande músico gaúcho, que está há vinte anos em NY e trabalhou com uma infinidade de nomes como War, James Taylor, Toninho Horta, Jorge Vercilo. Ele arranjou e produziu as faixas, sugeriu a entrada de grandes hits, como “Knocking On Heavens Door” e me conectou com músicos, cantoras e técnicos americanos. Gravamos a base no Brasil, com João Viana na Bateria, Gastão Villeroy no Baixo e Keko Brandão no piano e teclados. Nos EUA gravamos Bashiri Johnson, que gravou com Michael Jackson, Madona, Whitney Houston, dentre muitos outros. As backing vocals Iara Negrette e Pam Steebler também ajudaram a dar o sotaque local e a mixagem de Kevin Killen, 8 vezes premiado com o Grammy deu o retoque final. A minha ideia era seguir com canções pouco conhecidas, mas Sandro acho a onda muito boa e achou que alguns clássicos tinham que entrar.

 

ST)- Morando nos Estados Unidos desde 2017, e shows marcados para o lançamento do novo álbum por aí, já temos alguma previsão de voltar ao Brasil com a nova turnê?

Baia: Estamos priorizando essa agenda americana, que começa em 28 de junho, no Black Market, em Miami e terá datas em NY, Boston e Philadelphia, mas pretendo ir ao brasil, para lançamento do novo álbum e para matar a saudade do público, até o final do ano. Já há datas reservadas no Rio de Janeiro, Salvador e Curitiba.


Mais Fotos