Super Transado
Se acontece, está aqui

Bate-papo banda ultramen

Março 20, 2017
Autor / Fonte: Super Transado


Bate-papo banda ultramen

São 25 anos de carreira, quatro álbuns e uma carreira cheio de sucessos, esta é a banda Ultramen. O grupo se apresentou no palco do Bar Ocidente nos dias 9 e 16 de março com a turnê de divulgação do primeiro DVD da banda, “Máquina do Tempo”.

Aproveitamos a oportunidade e batemos um papo com a banda sobre carreira, processo do novo produto, shows e referências do grupo.

A banda é formada por Tonho Crocco (vocal), Zé Darcy (bateria), Pedro Porto (baixo), DJ Anderson (toca-discos), Leonardo Boff (teclados) e Málásia (percussão).

 

ST)- São 25 anos de carreira, uma vida, como é ver este jovem Ultramen hoje em dia?

 (Tonho Crocco)- O jovem foi um elogio já que todos estão beirando os 40/50 anos, acho que este é o combustível pra gente que está muito tempo na estrada, temos uma carga cultural que produzimos. Hoje em dia o pessoal fala em conteúdo, mas a gente só queria fazer música, e música nossa, criar algo diferente do que não tinha antes, claro, tínhamos as nossas referências de outros grupos brasileiros, internacionais ... Mas a gente acredita que marcamos no passado e a ainda marcamos, pela produtividade da banda ainda em conseguir ter uma carreira, fazer música, lançar música e fazer shows...

 

ST)- A gravação do DVD “Máquina do Tempo” é um quanto interessante, já que o material foi gravado durante a pausa de 2008 e lançado recentemente, porque segurar este material durante tanto tempo?

(Pedro Porto) - O que aconteceu foi o seguinte, em 2008 programamos uma parada e que seria legal antes de parar, registrar aquele momento que a gente estava vivendo, que era o auge musical da banda, que a gente tocava muito, estava toda semana na estrada, que a banda tocava de uma maneira muito coesa e que seria legal ter um registro daquele momento, até porque não tinhamos nenhum registro audiovisual legal da banda, como ela realmente é! O único que a gente tinha ao vivo era o Acústica Bandas Gaúchas MTV, mas não era um formato real e sim uma adaptação para o acústico, e foi então que achamos que seria o momento ideal para o registro, e quando a banda voltasse a se reunir pegaríamos aquele material para lançar, acho que ninguém imaginou que ficaríamos tanto tempo parado, cinco anos, e quando voltamos demoramos mais uns três até organizar e finalizar o DVD. A demora foi por causa disso, mas acho que valeu muito a pena, até porque a gente juntou uma faixa bônus “Robot Baby” que é uma música nova, então o DVD mostra uma cara da banda naquela época e também atual, inclusive por isso o nome “Máquina do Tempo”, mostra a banda em dois momentos diferentes.

 

ST)- Conte-nos um pouco deste novo projeto! (criação, repertório, convidados...)

(Tonho Crocco) São 23 faixas, destas, 22 músicas dos quatro discos, ou seja, todo panorama da banda, e 23º faixa “Robot baby”. Foi difícil organizar este repertório já que muitas músicas não entraram no DVD, o show foi longo, em torno de 30 canções, este material que ficou de fora será aproveitado e aos poucos será largado na internet .

(Leonardo Boff) – Robot Baby não é a única faixa inédita, “Baguio Muito Louco” ficou de fora do 4º disco e decidimos inserir no DVD.

(DJ Anderson) – Quanto as participações temos Baze e Buiu do Manos do Rapper, Du e Curuman, Andréa Cavalheiro em Bico de Luz, Alexandre Guri que tocou várias músicas, uma curiosidade é que temos duas guitarras em palco, algo que não é muito usual para nós.

 

ST)- A Gravação de um DVD geralmente é a concretização de um sonho para muitos artistas, bandas... E para vocês? Qual o sentimento?

(Malásia) - É um sonho, na verdade a coisa mais notável que a Ultramen construiu na trajetória são os shows, não tínhamos um registro fidedigno da energia que rola, da interação da gente com a galera, faltava este registro em nossa trajetória e estamos felizes em disponibilizar para todo mundo.

 

ST)- O Ultramen mistura o Rap, Reggae, Rock, Swing e Soul, numa sonoridade incrível, o que geralmente é muito difícil, não seria mais fácil levantar uma única bandeira?

(Pedro Porto )Para nós não, todos ouvem de tudo, seria muito difícil pra nós se manter em um estilo só, todo mundo quer cantar coisas novas, trazer estilos diferentes para o nosso dia a dia, ouvir um reggae do Bob Marley e adaptar com a Ultramen usaria, achar um jeito próprio de unir as referências musicas e não fazer igual.

 

ST)- Mesmo sendo uma referência para muitas bandas iniciantes, quais são as referências da Ultramen musicalmente?

(Pedro Porto) Se fossemos listar todas as bandas que nos influenciaram, ficaria uma lista quilométrica, mas existe três bandas que nos espelhamos quando penso na situação “não ter medo de incorporar outros sons”, Beastie Boys (banda de rap, que toca música instrumental), Mutantes, onde pegava um disco e existia mambo, rock, baladas e War, que é uma banda californiana conhecida e por ser multirracial, que juntava vários elementos no som.

 

ST)- 2017 está aí, e vocês como de costume já estão numa correria intensa, já teve Planeta, Turnê forte de divulgação, o que podemos aguardar para 2017?

(Leonardo Boff) Estamos compondo, nos reunindo, ensaiando para compor músicas novas porque temos o anseio de compor e não parar de produzir, gerar conteúdo novo, assim, muitas coisas podem acontecer! Vamos aguardar!  

 

Reportér: Celisa Correa

Texto: Diego Patito

Crédito imagem: Diego Patito


Mais Fotos